Com mais de 10 horas de programação, iniciativa da Rede Jornalistas das Periferias acontece em 16 de setembro nos Centro Cultural do Grajaú, região Extremo Sul de São Paulo
Notícia tem CEP? E raça, cor, gênero? A partir das identidades e dos territórios periféricos, em 16 de setembro a Rede Jornalistas das Periferias realiza a primeira edição da Virada Comunicação, que tem como objetivo debater, refletir e apontar caminhos para a abordagem de temáticas do cotidiano de quem mora nas bordas da metrópole.  Juntos, os 13 coletivos que compõem a Rede Jornalistas das Periferias, do qual o Nós, mulheres da periferia faz parte,  dialogam com um público médio de 1 milhão de internautas por mês.

Jornalismo na periferia. Crédito: Desenrola e Não me Enrola

Crédito: Desenrola e Não me Enrola


 
O encontro é voltado a estudantes e profissionais da comunicação, ativistas e movimentos sociais, moradoras e moradores das periferias da Grande São Paulo.  Com mais de 10 horas de atividades, a Virada Comunicação mescla oficinas de comunicação, intervenções culturais e mesas com a participação de 34 convidadas e convidados, que debaterão temas como a conjuntura atual das periferias, o genocídio da população negra nas periferias e segurança pública, questões de gênero, etnias e identidades, educação e cultura, transporte e desenvolvimento local, moradia e meio ambiente, democratização da mídia e formas de atuação na comunicação.
“Idealizamos a Virada Comunicação como um marco da organização de diferentes agentes sociais que não aceitam que outros escrevam nossa história ao passo em que pautamos, contrapomos e conectamos protagonistas que constroem uma outra narrativa possível”, diz a Rede, em texto de apresentação.
Formada por comunicadoras, comunicadores e coletivos que atuam a partir das bordas da Grande São Paulo, a Rede Jornalistas das Periferias tem como objetivo promover e disseminar a informação produzida pelas e para as quebradas. Enquanto movimento, acredita na potência e importância de que essas vozes sejam produtoras também do conteúdo jornalístico sobre essas regiões da cidade, constituídas historicamente em condições sociais de desigualdade de raça, classe e gênero que se reproduzem, inclusive, no ambiente profissional da comunicação.
A Virada Comunicação é realizada com apoio das instituições Ford Foundation, Fundação Tide Setúbal e Instituto Alana, e idealizada e organizada por 13 coletivos integrantes da Rede: Alma Preta, Capão News, Casa no Meio do Mundo, Desenrola E Não Me Enrola, DiCampana Foto Coletivo, DoLadoDeCá, Historiorama: Conteúdo & Experiência, Imargem, Mural – Agência de Jornalismo das Periferias, Nós, mulheres da Pperiferia, Periferia em Movimento, Periferia Invisível e TV Grajaú.
Serviço
Virada Comunicação
Quando? Sábado, 16 de setembro de 2017, das 9h às 22h
Onde? No Centro Cultural do Grajaú – Rua Professor Oscar Barreto Filho, 252 – Grajaú – Extremo Sul de São Paulo
Para quem? Estudantes, pesquisadores e profissionais da comunicação; ativistas e movimentos sociais; moradoras e moradores das periferias de São Paulo
Como participar? Limite de 500 vagas com critérios de participação. Inscrições gratuitas no link https://goo.gl/forms/AhpICkv87vb8h0Qf2
Evento no Facebook: goo.gl/vo7vht