Coração acelerado, sensação de cansaço e preocupação recorrente com o futuro. Você tem se sentido assim? Esses são alguns dos sintomas do transtorno de ansiedade, que pode se manifestar de diferentes formas e afeta muitos brasileiros. Segundo dados de 2019 da OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil é o país mais ansioso do mundo. Buscar terapia é um caminho importante para lidar com essa situação. Mas quem tem acesso a esse serviço?

Ansiedade foi o tema do primeiro episódio da nova temporada do podcast Conversa de Portão, produzido pelo Nós, mulheres da periferia em parceria com o UOL Plural. As jornalistas Mayara Penina e Jéssica Moreira junto à psicóloga Lorna Alves conversaram em torno da pergunta: “Por que será que estamos tão ansiosas?”

A psicóloga alertou que o primeiro tratamento indicado para quem tem transtorno de ansiedade é a terapia. Mas, sabemos que para grande parte da população que vive nas periferias brasileiras, pagar por esse serviço não é uma possibilidade.

“Não dá pra gente dizer que a saúde mental é acessível porque não é”, afirmou Lorna.

Pensando nisso, criamos uma lista de espaços de terapia e cuidado da saúde mental gratuitos e acessíveis. Confira!

1. Postos de saúde

Uma das formas de conseguir atendimento terapêutico gratuito é através do SUS (Sistema Único de Saúde). Para isso vá até a UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima e peça por um encaminhamento com psicólogo. Não esqueça de levar o seu cartão SUS.

2. CAPs

Os CAPs (Centros de Atenção Psicossocial) também fazem parte do SUS e oferecem serviços voltados para pessoas com sofrimento psíquico ou transtorno mental. O atendimento nesse espaço pode ocorrer através de encaminhamento feito na UBS ou indo diretamente até a unidade da sua região.

3. Clínica-escola

As chamadas clínicas-escola são espaços em que estudantes da área da saúde desempenham atividades que aprendem na universidade. São mais um jeito de fazer terapia gratuita ou a um preço simbólico. Em São Paulo, faculdades como a PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Unip (Universidade Paulista) e Santa Casa de São Paulo oferecem esse serviço.

4. Psicopretas

Há ainda projetos focados em saúde mental com psicólogos que realizam atendimento gratuito. Um exemplo é o Psicopretas, espaço que acolhe mulheres com método próprio que alia espiritualidade, psicanálise, e terapias naturais. Entre as atividades do Psicopretas, há um grupo de acolhimento gratuito para mulheres, numa terapia em conjunto, que ocorre em formato online.

5. Grupo Reinserir

Outro projeto focado no cuidado à saúde mental é o Grupo Reinserir, em que um conjunto de profissionais oferece atendimento psicológico e desenvolve atividades na área social. Possuem uma clínica social, localizada na cidade de São Paulo, que disponibiliza psicoterapia à preços acessíveis para negros e negras, LGBTQIA+ e mulheres de baixa renda. Para agendar uma consulta basta preencher o formulário no site.