Neste episódio invadimos a casa mais vigiada do Brasil. No ano em que o BBB, programa da rede Globo, tem a participação de uma quantidade inédita de pessoas negras, o que não faltou foi assunto dentro e fora do reality.

Com essa mudança, mais espectadores negros passaram a acompanhar o dia a dia dos confinados e confinadas. E os conflitos e desavenças na convivência geraram uma grande discussão sobre racismo e a forma como, no Brasil, as atitudes de pessoas negras são vistas como coletivas e não individuais.

Neste episódio, o Conversa de Portão ouviu Renata Aloá, Ayeska Cândido e Lívia Lima sobre como avaliam a repercussão e as consequências do BBB para a vida de mulheres negras que vivem longe das câmeras.

Para as entrevistadas, os efeitos já estão sendo sentidos “É comum agora ouvir esse tipo de comentário. Quando você se posiciona em relação a uma pauta militante, as pessoas já te taxam como Lumena, como Karol Conká ou como uma preta raivosa”, disse a esteticista Renata.

Ouça mais

https://nosmulheresdaperiferia.com.br/podcast/conversa-de-portao-23-sexualidade-de-meninas-perifericas/