Já pensou em entender política usando o Big Brother Brasil? Nós te ajudamos. Para além do BBB, há outras duas casas, não tão assistidas assim, mas que podem influenciar muito a nossa vida: as casas legislativas. Ou melhor, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal.

No dia 1 de fevereiro aconteceu a eleição para presidente dessas duas casas. Na Câmara, o novo presidente é o deputado Arthur Lira (PP-AL). No Senado, o presidente agora é Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

No episódio de hoje, Jéssica Moreira conversa com Elisa de Araújo, da Conectas Direitos Humanos, Coalizão Negra por Direitos e Mulheres Negras Decidem e a Joluzia Batista, do CFemea (Centro Feminista de Estudos e Assessoria). Elas vão nos ajudar a entender esses processos políticos e seus impactos principalmente na vida das mulheres negras e periféricas.

Ouça no Spotify

No BBB, toda semana tem um novo líder. Na Câmara e no Senado, de dois em dois anos um novo presidente é eleito. Se no reality show o líder tem o poder de indicar alguém pro paredão e dar o tom do jogo, na Câmara e no Senado são os presidentes que decidem quais projetos de lei que serão ou não votados.

Exemplo disso foi o Auxílio Emergencial em 2020  ou outras também importantes para as mulheres, como a Lei Maria da Penha ou Lei do Feminicídio. anto Arthur Lira, da Câmara, quanto Rodrigo Pacheco, do Senado, seguem uma linha política mais próxima do presidente Bolsonaro.

Sendo assim, especialistas acreditam que alguns projetos de lei que estavam ali um pouco escondidos nesse último ano podem ser votados e impactar diretamente na vida de nós, mulheres negras e periféricas, como a ampliação do direito ao porte de armas, a redução da maioridade penal, exploração mineral em terras indígenas, o Escola sem partido, o Estatuto da Família, entre várias outras questões.

Veja também:

Por que precisamos de mais mães na política?

Vídeo: eleições 2020 e o avanço das mulheres negras na política

Temas: