Na última sexta-feira (17), o coletivo Nós, mulheres da periferia integrou uma roda de conversa que discutiu os caminhos percorridos para a construção de uma identidade negra no Brasil, considerando a visão e a vivência feminina. A conversa teve como tema central os “Padrões de beleza da mulher negra”. E durante o bate-papo, as falas clamaram pela despadronização e o fim dos estereótipos.
O encontro foi promovido pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), no campus Guarulhos, em Grande São Paulo e fez parte da sétima edição da Semana de Ciências Sociais (SECS).
A mediação foi feita por Djamila Ribeiro, pesquisadora e mestranda em filosofia política e focada nas relações raciais de gênero e no feminismo. Contou com a presença do Nós, representado por Semayat Oliveira, Nênis Vieira, do Blogueiras Negras, Jéssica Ipólito, do blog Gorda&Sapatão, Renata Prado, coletivo Negro da UNIFESP, integrantes da Revista Maçaneta e do coletivo Quilombro Raça e Classe.
“O crescimento coletivo é muito mais forte que o individual. Prezamos e contamos com ele. Foi um encontro para compartilharmos as descobertas de ser negra, de ser bela, a autoestima, suas tramas e dificuldades. Discutimos a insistência do racismo e dos nãos.”, conta Semayat Oliveira.

Outros temas como os desafios de bancar sua escolha sexual, o desenho das vielas e quebradas e as mulheres que nelas vivem, os medos, receios e a fortaleza dos passos à frente, foram também discutidos no bate-papo.

Participantes da roda de conversa “Padrões de beleza da mulher negra”