A telha da ampliação da casa. Roupas e sapatos de marca que não querem mais Comida do restaurante chic. Elevador de serviço. O quartinho lá nos fundos. Recados na geladeira. Um eletrodoméstico que não usam mais. As palavras meio tortas. Relações “como se fosse da família”. A limitação de circulação entre os cômodos. A casa grande e a piscina para os filhos brincarem quando os patrões viajam.
A mulher que é chamada de empregada até que agradece, sem saber o tanto mais que ela tem por direito, por dever de quem a “emprega”.
E para ela continua sobrando as contas a pagar.  O aluguel para manter. A compra do mês para fazer. O dinheiro da condução.  Pouco tempo. Filhos para educar. A outra casa para limpar. As legislações não aplicadas. Benefícios não recebidos.
Não deixe de ler: Trabalho doméstico (mal) remunerado: da casa grande aos apartamentos

Créditos: Rosino (Flickr)

Créditos: Rosino (Flickr)

Sobre a autora:

Semayat S. Oliveira

Semayat Oliveira, jornalista e escritora. Nascida no Jardim Miriam, zona sul de São Paulo