“A fome dói”. Este episódio é sobre esta afirmação da dona de casa Raimunda Boaventura e sobre o dado do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar, que mostra que 55,2% dos lares brasileiros conviveram com algum grau de insegurança alimentar no final de 2020, e 9% deles vivenciaram insegurança alimentar grave, ou seja, passaram fome durante a pandemia.

A jornalista Mayara Penina conta a história de Elismaura Pereira, Raimunda Boaventura, Giselle Vilela, Zilda Souza e a relação delas com a insegurança alimentar, e conversa com a socióloga Erika Galindo do Grupo de Pesquisa ‘Alimento para Justiça: Poder, Política e Desigualdades Alimentares na Bioeconomia’.

A pesquisa “Efeitos da pandemia na alimentação e na situação da segurança alimentar no Brasil” mostra que alguns marcadores de classe, raça e território são determinantes para o grau de insegurança alimentar de uma família.

“A gente consegue identificar que essas são desigualdades estruturantes que expõem determinados grupos a situações de vidas mais precárias. É que historicamente são as mulheres, são as negras e os negros do país que vivem em situações de trabalhos mais precárias, que vivem sob condições de vida precarizadas, com menos acesso a renda”, afirma Erika Galindo, uma das autoras do estudo.

O Conversa de Portão é um podcast produzido pelo Nós, mulheres da periferia em parceria com UOL Plura. Publicamos novos episódios toda terça-feira. Com produção de Carol Moreno, direção musical de Sabrina Teixeira Novaes, trilha sonora e edição de som por Sabrina e Camila Borges.

Ouça o episódio:


O Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar.


 

Leia também:

Doações na pandemia: saiba quem e como você pode ajudar