“Me sinto muito honrada e ainda processando em meu HD isso (risos), ainda não acredito”. A frase, emocionada, é de Camila Brasil, ao contar como se sente ao ver a sua música “Mistério e calor” (do álbum que leva seu nome)  lançado no fim de 2015, na lista das Apostas da Música de 2016 da Deezer.
Sobre estar em uma seleção que inclui artistas como Arnaldo Antunes, Camila comenta com humildade. “Temos muitos artistas maravilhosos, das mais variadas linguagens. Todos merecem estar aí”, diz a jovem de 23 anos, moradora do Parque Santo Antonio, zona sul de São Paulo.
Camila cresceu no Jardim Ângela e, desde 2006, vive com os pais no Parque Santo Antônio, bairro imortalizado em ‘Fim de semana no parque’ dos Racionais M.C.. Mas a cantora e compositora tem Chico Science e Nação Zumbi como uma de suas primeiras e principais influências.
Confira a entrevista completa de Camila Brasil para o Nós, mulheres da periferia.

Crédito: Lais Rodrigues Oliveira

Crédito: Lais Rodrigues Oliveira


Nós, mulheres da periferia: Como você se sente sendo considerada uma das promessas da música em 2016?
Camila Brasil: Me sinto muito honrada e ainda processando em meu HD isso (risos), ainda não acredito.  Temos muitos artistas maravilhosos das mais variadas linguagens. Todos merecem estar aí.
Nós, mulheres da periferia: Quando você teve seu primeiro contato com a música?
Camila Brasil: Ainda na infância, com meu pai. Meu pai chegava do serviço (metalúrgico), e colocava as fitas cassetes que gravava para tocar. Ele havia gravado um especial do Chico Science e a Nação Zumbi, e, quando vi aquilo, fiquei com os olhos fixados na televisão de uma maneira que quando lembro parece que foi ontem, foi um encantamento. Devia ter uns 6 anos. Meu pai sempre escutou de tudo, quando chegava da escola (E.E Mario Marques de Oliveira – Jardim Ângela), lá estava meu pai escutando “You get me hot” do Jimmy Bo Horne, ou ” Gimme, Gimme, Gimme! ” da ABBA, James Brown, Zé Ramalho, e outros grandes artistas.  Isso ficou marcado em mim e escuto até hoje. Foram tantos primeiros contatos… ir à igreja só para observar os músicos tocando (riso), brincar com uma madeira (meu violão imaginário) com a minha irmã no quintal da casa em que morávamos no Jardim Ângela.
Nós, mulheres da periferia: Você estudou/estuda música?
Camila Brasil: Tive a oportunidade de estudar um pouco, assim que ganhei meu violão com 13 anos de idade. Como sou muito curiosa, fui descobrindo a beleza e os mundos do instrumento sozinha.
Qual sua formação escolar?
Camila Brasil: Fiz o ensino médio completo. Consegui passar em 4 universidades públicas (jovem da periferia, sabemos as dificuldades para conseguir um ensino de qualidade), mas a música sempre falou mais alto em meu coração.
Nós, mulheres da periferia:Quando começou a se apresentar profissionalmente?
Camila Brasil: Foi tocando em festas de família e alguns bares (cover). Até em igreja já toquei, mas a primeira vez que me apresentei com as minhas canções, foi quando tinha 17 anos, na Casa de Cultura do M’Boi  Mirim, em um evento maravilhoso chamado Panelafro.
Na época quem se apresentava lá era o Mestre Arakurin (querido e grande ser humano). E eu cheguei lá através de uma amiga, Mara Sombra. Ela tinha ido em minha casa nos visitar, cantei algumas canções engavetadas e ela ficou atônita com aquilo e disse: “você tem que se apresentar no Panelafro”.
Nós, mulheres da periferia: Você tem outro trabalho?
Camila Brasil: Não (já tive). Mas luto e vivo da minha arte.
Quais são as dificuldades para se trabalhar com música?
Camila Brasil: O artista independente participa de todos os processos de produção, desde gravar até a divulgação. Tive que aprender na raça e correr atrás de muitas coisas. Fui e ainda sou produtora do meu trabalho. É difícil, mas foi importante. Dei mais valor ao meu som. Acreditar mais e fazer as coisas acontecerem.
 Nós, mulheres da periferia: Na periferia tem mais dificuldades?
Camila Brasil:  Acredito que não, acredito que seja o inverso. Comecei a minha caminhada daqui. Cresci  cercada por uma diversidade cultural e musical significativa. As periferias de São Paulo em geral são multiculturais. Tive e tenho um reconhecimento impagável. O que sempre quis foi ser ouvida e acho que é o quê todos nós queremos. Os saraus e outros movimentos são grandes impulsionadores dessa escuta minuciosa. Sempre vou ao Sarau do Binho, e costumo dizer que ali é minha formação acadêmica (risos).
Nós, mulheres da periferia: Seu primeiro disco que saiu no ano passado é totalmente independente? Como foi o processo de gravação?
Camila Brasil:  Sim, foi independente, uma parceria com o Estúdio Poesia Áudio Visual, localizado no bairro do Jardim Nakamura. Quem produziu foi o Claudinho Miranda (Banda Poesia Samba Soul). Foi um processo muito importante de aprendizado e troca. Foi desse tempo de maturação que surgiram outras canções. Participaram da gravação amigos músicos como Rafael Franja, Fabinho Miranda, Paulinho Torres, Pikeno e o próprio Claudinho Miranda. A pós produção foi realizada pela Associação de Arte e Cultura “ Periferia Invisível” , com foto de Kenny Rogers (grande amigo) e arte de Kamuky Moyshy. Foi feito por amigos, pessoas queridas. Foi um passo importante em minha vida.
Nós, mulheres da periferia: Você imaginava ter a carreira que tem hoje?
Sim, lutei e luto por isso. Sou uma sonhadora, e é isso que me fortalece. Sempre com a cabeça nas nuvens e os pés no chão.  Quando subo no palco sinto uma força, uma sinergia surreal, não consigo explicar. Poder estar ali e ver que as pessoas se identificam com sua música é algo indescritível.
Crédito: Kamuky Moyshy

Crédito: Kamuky Moyshy


Nós, mulheres da periferia: Que momento você já viveu e que considera marcante em sua carreira?
Camila Brasil: São tantos momentos.  Mas um deles foi quando a cantora e compositora Cátia de França no qual eu sou muito fã, compartilhou o vídeo (produzido por mim e pelo Raphael Poesia) nas redes sociais da música eu “Eu Vim de Todos Os Cantos” . Fiquei estonteada e comecei a rir ( supostamente estava nervosa e feliz).  Um momento também muito, mas muito importante foi quando lancei meu EP, um dos meus sonhos era rasgar o lacre do disco e sentir o cheiro de cd novo (risos). Naquele dia, lágrimas desceram pelo meu rosto.
Nós, mulheres da periferia: Quais são suas influências?
Camila Brasil: Escuto de tudo, para mim sem fronteiras na música. Ouvidos atentos e coração aberto.  Na adolescência escutava muito rock, claro, início da revolta com as coisas erradas que observava na sociedade – Pitty, Queens of The Stone Age, Chico Science e a Nação Zumbi, que são influências até hoje.  Outros foram entrando em minha vida, ouvindo sem querer por aí: Marisa Monte, Céu, Adriana Calcanhotto, Cátia de França, Zé Ramalho, Bjork, Jamiroquai e o grupo Candearte, que é uma das minhas referências na Cultura Popular pela qual sou apaixonada.
Nós, mulheres da periferia: Quais são seus próximos planos? Já está compondo músicas para novos discos?
Camila Brasil:Fazer shows e fazer um disco. Sim, estou compondo bastante. Quando vejo que estou muito introspectiva é porque meu coração grita, respeito isso e fico dentro dos mundos que habitam em mim: Sim é hora de criar.
Nós, mulheres da periferia: Para você, o que é ser mulher da periferia?
Camila Brasil:Ser mulher da periferia é resistir.  Existe uma diferença geográfica e econômica enorme que nos afasta do centro.  Ser mulher da periferia é lutar diariamente para mudar as estatísticas desse sistema sórdido.  Fiz uma canção recentemente que retrata um pouco desse assunto, se chama “Made in Quebrada”: “Tão me observando, do outro lado da calçada, tão de lero esses ‘marmanjo’. Tenho minhas manas pra somar. Se for briga enfrento, Se for ódio, lamento não tô aqui pra desafiar, se afiada sou no versejar.” Continuamos versejando, a luta continua.
 

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.