No celular ou no computador, como diversão ou como profissão, os games fazem parte da vida de 72% dos brasileiros, de acordo com a Pesquisa Game Brasil (PGB) de 2021. Apesar do machismo existente no meio, a pesquisa identificou que o perfil de jogador no país é a mulher negra, periférica e que joga pelo celular. 

Mulheres representam 51,5% do total de jogadores no país. Negros são 50,3% do total e as classes sociais de baixo poder aquisitivo representam mais de 60% dos jogadores, o que é atribuído ao uso dos celulares segundo o estudo. 

Mas no cenário de crescimento dos e-Sports, competições de games eletrônicos, as mulheres são minoria quando o assunto são os jogos de computador e console, equipamento feito para executar jogos. 

O Nós, mulheres da periferia selecionou sete mulheres negras que se destacam nos e-Sports. Confira!

Cherna (@chernaoficiall)

Mulheres gamers

Cherna criou a Associação Feminina de Gaming Brasil (AFGB).

Crédito: reprodução Instagram

Vencedora do Circuito Feminino 2019, Danielle Andrade, conhecida como Cherna, se destaca jogando Rainbow Six Siege, jogo de tiro em primeira pessoa. Foi através dele, que foi a única mulher indicada ao Prêmio eSports Brasil em 2018. Cherna, que já foi vítima de assédio moral e sexual, criou a Associação Feminina de Gaming Brasil (AFGB) para apoiar meninas gamers que passaram por situações como essa. 

Laura Bueno (@ff_laurab)

Mulheres gamers

Laura Bueno joga Free Fire e foi campeã da Liga NFA.

Crédito: reprodução Instagram

Laura Bueno mostra sua habilidade no Free Fire, jogo de tiro e sobrevivência que pode ser acessado pelo celular. A jogadora tem participações em competições do jogo e foi vencedora da Liga NFA, campeonato independente de Free Fire. Laura faz parte do time Mansão Rei, organização de e-Sports. 

Sher Machado (@transcurecer)

Mulheres gamers3

Sher Machado criou o primeiro campeonato de League of Legends para pessoas trans.

Crédito: reprodução Instagram

Sher Machado, também conhecida como Transcurecer, faz lives de variados jogos e integra a INTZ, organização de e-Sports. A estudante de licenciatura em Física e mulher trans é idealizadora do primeiro campeonato de League of Legends voltado para pessoas trans: a Copa Rebecca Heineman. No jogo League of Legends, ou apenas LoL, duas equipes se enfrentam a fim de destruir a base inimiga. 

Jinkiwinkki (@jinkiwinkki)

Mulheres gamers

Jinkiwinkki joga League of Legends e é formada em Rádio e TV.

Crédito: eprodução Instagram

Streamer Facebook Gaming, plataforma de transmissão de games, Jinkiwinkki costuma jogar League of Legends. Formada em Rádio e TV, se dedicou a pesquisar streamers de jogos negros em seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). A paulista também integra o grupo de jogadoras Garotas Mágicas. 

Rawrafaela (@rawrafaela)

Mulheres gamers

Rawrafaela joga Valorant e faz parte do SBT Games.

Crédito: reprodução Instagram

Rafaela Martins ou Rawrafaela se decida a jogos como Valorant, jogo de tiro em primeira pessoa. A carioca faz parte do SBT Games, canal de notícias e conteúdos sobre e-Sports. Rafaela começou a fazer live de jogos motivada pelo projeto Wakanda Streamers, que visa divulgar a comunidade negra.

AthenaXis (@athenaxiss)

Mulheres gamers

AthenaXis faz lives de LoL e GTA e vídeos bem-humorados sobre o mundo dos games.

Crédito: reprodução Instagram

AthenaXis faz lives de variados jogos, mas principalmente Valorant e Grand Theft Auto (GTA), em que o personagem pode cumprir missões e realizar atividades em uma cidade fictícia. A baiana também publica vídeos bem-humorados sobre o mundo dos games em suas redes sociais. 

 

 

 

NayuChan (@enayuchan)

Mulheres gamers

NayuChan foi apresentadora da Copa das Favelas de Free Fire.

Crédito: reprodução Instagram

Jogadora de GTA e Free Fire, NayuChan faz parte da equipe de streamers da FURIA, organização de esportes eletrônicos. Nayu apresentou a Copa das Favelas de Free Fire  em 2020 e já marcou presença na CCXP Worlds (Comic Con Experience), evento de cultura pop. 

 

 

 

Para o Nós seguir produzindo conteúdo independente e de qualidade, precisamos da sua ajuda. Acesse nossa campanha de financiamento no Catarse e veja como contribuir a partir de R$ 10

Reportagem publicada originalmente no portal Expresso Na Perifa – Estadão

Temas: