No próximo domingo, dia 9 de maio, a gente comemora o Dia das Mães e, por aqui, pensamos na melhor forma para homenageá-las, com todo o respeito que elas merecem, sem perder a consciência dos dilemas e dificuldades que a maternidade nos impõe. Por isso, em nossas Dicas da Semana, Nós queremos acolher essas mulheres diversas, e, como em um abraço, oferecer carinho e arte para as mães. Vamos lá?!

Afago

A gente sabe que é difícil, mas que tal tentar parar um pouco tudo que está fazendo para ouvir uma boa música? A artista e produtora Dêssa Souza, agitadora cultural na zona sul de São Paulo (SP), reuniu canções de diferentes períodos de sua carreira no álbum “Camadas”, lançado semana nas plataformas de áudio.

Guiado pelas batidas da cultura popular, do rap, da soul music e do samba, o projeto é composto por 5 canções e um videopoema produzido para a faixa “Meu Chão”. As letras falam muito sobre nosso cotidiano, cuidado, e exaltam as mulheres periféricas. Não deixem de ouvir!

Dandaras

Nessa sexta-feira, dia 7 de maio, às 19h, o grupo Samba de Dandara também lança seu primeiro álbum em todas as plataformas digitais, exaltando as lutas da ancestralidade negra feminina e a força das mulheres nos dias de hoje.

Formado a partir de rodas de samba na cidade de São Paulo, o grupo procurou materializar no álbum sua identidade pautada na ancestralidade, no protagonismo feminino e em discussões sobre os espaços ocupados pelas mulheres na sociedade de modo geral e, especificamente, no samba.

Pilar

Tula Pilar, uma das grandes poetas negras e ativista periférica de São Paulo, é homenageada pela Zona Agbara – coletivo de mulheres negras e gordas, em “PILARES“, websérie em 3 capítulos onde as intérpretes criadoras fazem performances coreográficas inspiradas na biografia da artista.

Os vídeos são pontuados por entrevistas com familiares – inclusive seus filhos, amigos e parceiros de sua trajetória. As coreografias exaltam as letras e escritos de Tula que denunciam as violências sofridas em seu cotidiano viril, sendo uma mulher negra que esteve em vida trazendo  confiança e força para muitas outras mulheres, mães, empregadas domésticas que se viam em muitas de suas falas poéticas.

As exibições estão acontecendo até dia 24 de maio pelos Facebook e Youtube do Centro de Referência da Dança, Casas de Cultura do Campo Limpo e Tremembé, CITA, Biblioteca Adelpha Figueiredo e da própria Zona Agbara.

É possível assistir os primeiros episódios nesse sábado, dia 7. Para acompanhar as datas e horários, acesse a página do coletivo no Instagram.

Espetáculo de dança Pilares do coletivo Zona Agbara.

Crédito: Lua Santana

Mãe +Mãe

A plataforma de streaming brasileira Supo Mungam Plusfocada em cinema independente, disponibiliza gratuitamente por 72 horas, a partir de sexta-feira, dia 7 de maio, o filme italiano “Mãe + Mãe”, mediante cadastro básico para não-assinantes.

Baseado na vida real da diretora Karole Di Tommaso, o filme mostra a trajetória de duas mulheres, Karole (Linda Caridi) e Ali (Maria Roveran) que se amam e sonham em ter uma criança e formar uma família juntas. Elas logo percebem que não será tão simples quanto esperavam e, à medida que o entusiasmo diminui, o amor delas é desafiado. Para superar os obstáculos, elas devem acreditar na força de seu desejo e no apoio de seus entes queridos.

Afro-indígena

Entre os dias 6 e 8 de maio está rolando a primeira edição do Festival Afro e Indígena, com apresentações musicais e entrevistas em formato documental. Na programação, artistas como Brisa FlowGabriellêKatu MirimMiranda Caê, dentre outras. As exibições acontecem pelo Youtube sempre a partir das 19h.

—-

Você acredita que é importante que o jornalismo ouça mais especialistas negras? Precisamos do seu apoio para continuarmos fazendo nosso trabalho. Acesse www.catarse.me/nosmulheresdaperiferia para fazer parte da nossa comunidade

 

Temas:

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.