Essa edição da coluna do Nós com dicas culturais está em clima de festa junina, com gostinho especial de pipoca e bolo de fubá, mas sem esquecer que estamos quase no fim do Mês do Orgulho LGBTQIAP+, então preparamos uma seleção bem diversa. Se liga!

Quadrilha

Na sexta-feira, 25 de junho, às 20h, o coletivo Pretas Bás – das Mãe Graça, Mãe Angelina e Mãe Marlene, que mantém o Espaço Cultural Adebanke, na zona leste de São Paulo, recebem no “Boteco das Pretas Bás” o convidado Leandro Bezerra, da Quadrilha Junina Herança Sudestina, para falar um pouco sobre as origens e importância dessa tradição popular. É verdade! A conversa acontece no Youtube.

Que seja leve

O clima de festa junina também inspira música boa nordestina, e na sexta-feira a cantora baiana Larissa Alves lança nas plataformas digitais seu novo single, “Eu queria que fosse leve”. Na terça-feira, dia 29, a soteropolitana divulga o videoclipe.

Desfazenda

Nos dias 25, 26 e 27 de junho, o coletivo O Bonde apresenta no projeto Palco virtual do Itaú Cultural a peça-filme Desfazenda – me enterrem fora desse lugar. Na trama, quatro pessoas pretas vivem na fazenda de um Padre Branco. Quando crianças, 12, 13, 23 e 40 foram salvas da guerra pelo homem. Desde então, cuidam das tarefas diárias, supervisionadas por Zero, um homem preto um pouco mais velho. A guerra nunca atingiu a fazenda; o Padre, por outro lado, nunca sai da capela. A todo questionamento um sino soa.

O Bonde é um coletivo de teatro formado por artistas negros e periféricos, oriundos da Escola Livre de Teatro de Santo André (SP), que tem como pesquisa de linguagem o teatro negro, suas diásporas contemporâneas e suas materialidades invisibilizadas, não vistas no fazer teatral.

Após as sessões, o grupo participa de conversas com o público. Para assistir o espetáculo é necessário adquirir no site os ingressos gratuitos para acesso à plataforma.

Orgulho Trans

Encerrando a programação da 4ª Marcha do Orgulho Trans da Cidade de São Paulo, na sexta-feira, dia 25, das 10h às 19h, acontece a primeira feira virtual de empreendedorismo trans, via Whatsapp business, reunindo pessoas trans que possuem seus próprios negócios, oferecendo um espaço para que possam vender seus produtos. A noite rolam também bate-papos no #Transtalk, com Erica Malunguinho, Linda Brasil, dentre outros convidades. A programação estão no site do evento.

Autodefesa

Para quem estiver transitando pela cidade, o Museu da Diversidade Sexual de São Paulo está realizando a exposição Memória para Autodefesa em parceria com a Linha de Cultura do metrô. A exposição procura destacar o protagonismo de mulheres lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais no combate a violências de gênero.

A exposição retrata a vida de onze mulheres brasileiras – como Cassandra Rios, Luana Hansen, Laura Vermont, e traz seus testemunhos admiráveis de combate ao patriarcado estruturante, responsável por indicadores alarmantes de violências contra as mulheres. A autodefesa surge como uma ruptura da subjetivação a que foi colocada a condição das mulheres, seus corpos, suas histórias e suas interseccionalidades no Brasil. O museu está localizado dentro da Estação República do Metrô, no centro.

Literaviva

No domingo, dia 27, às 10h, o coletivo Esperança Garcia – Quilombo da Parada realiza o #Literativa, um encontro para o incentivo à leitura e processos artísticos, com um bate-papo com a fotógrafa, designer e escritora Sônia Bischain, uma das organizadoras do Sarau da Brasa. A conversa acontece pela plataforma Meet.

Leia mais:

Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar.

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.