Ver mais profissionais periféricos nas diversas etapas de produção de um filme está entre os objetivos de iniciativas que promovem cursos gratuitos de cinema.

Voltadas para jovens que vivem nas periferias, as formações oferecem aprendizados técnicos e práticos, envolvendo áreas como roteiro, filmagem e edição. Mas vão além: estimulam produções a partir dos pontos de vista dos estudantes, levando em consideração suas vivências e referências.

Para quem tem interesse em aprender sobre cinema e ingressar nessa área, o Nós, mulheres da periferia selecionou dez projetos que oferecem cursos de audiovisual gratuitos para jovens periféricos.

Confira!

AMAZONAS

Jovens de Manaus (MA) contam com formações gratuitas em audiovisual no Cine Bodó. O projeto é também uma mostra itinerante de cinema, com a 5ª edição realizada em 2021, e já marcou presença em diferentes comunidades da capital. No curso, os alunos são orientados a produzir um curta-metragem, que é exibido durante o festival.  

PERNAMBUCO

O projeto Coquevídeo oferece formação e experimentação audiovisual para jovens do Coque, favela em Recife (PE). O curso conta com aulas de roteiro, fotografia, som, edição e corpo em movimento. Tem como objetivo estimular a criação de imagens pela perspectiva de quem vive na comunidade. 

Com inscrições gratuitas para alunos de escolas públicas, o Trela oferece oficinas de cinema para jovens do Recife (PE). Após passar por aulas sobre todas as etapas de produção de obra cinematográfica, os estudantes produzem um curta-metragem.  

GOIÁS

O Favera (Festival Audiovisual Vera Cruz), leva no nome o bairro em que está localizado, na zona oeste de Goiás (GO), o Conjunto Vera Cruz. A iniciativa se propõe a realizar mostras de cinema, palestras e atividades de formação no audiovisual. A democratização do cinema e a comunicação com outros projetos periféricos estão entre as motivações do Favera. 

MINAS GERAIS

O projeto Minas Cine, oferecido pela ONG (Organização não Governamental) Contato, beneficia jovens em dez regiões do estado de Minas Gerais. A iniciativa conta com atividades técnicas e de produção, além da troca de conhecimentos entre artistas, coletivos e profissionais do mercado do audiovisual no país.

RIO DE JANEIRO

Quem vai até o instituto Cinema Nosso, no bairro da Lapa, no Rio de Janeiro (RJ), pode participar de cursos, oficinas e exibições de filmes. Atendendo prioritariamente adolescentes da rede pública, o projeto foi criado em 2000, a partir do processo de seleção do filme Cidade de Deus, mesmo nome de favela carioca, que ganhou reconhecimento internacional. 

Localizado no bairro Paciência, zona oeste do Rio de Janeiro (RJ), o Cine Rua Paciência Cultural oferece desde 2012 formações em audiovisual para jovens periféricos da região. Além disso, o projeto atua em exibições de filmes. 

SÃO PAULO

O É Nóis na Fita, criado em 2014, já formou turmas em todas as regiões da cidade de São Paulo (SP). Os alunos se reúnem aos finais de semana para aprender história do cinema, roteiro, produção, direção de arte, fotografia e edição. O projeto inclui ainda a elaboração de um curta-metragem. 

Idealizado em 2020 pela produtora de audiovisual Ser Produções, o projeto Paracine oferece aulas de audiovisual e exposições de filmes independentes na favela do Paraisópolis, zona sul da cidade de São Paulo (SP). O objetivo é democratizar o acesso ao cinema. 

Na Baixada Santista (SP), o Instituto Querô promove a capacitação no audiovisual para jovens de baixa renda, a fim de colaborar com a redução da desigualdade social. A iniciativa atua ainda com oficinas em escolas públicas e moradores da comunidade. Já somam mais de 16 anos de trabalho e contam com mais de 300 produções audiovisuais. Entre elas, o longa-metragem Sócrates, que lançou o ator Christian Malheiros. 

Na cidade de Guarulhos, região metropolitana da cidade de São Paulo, o curso de cinema “Oficina Filme de Bairro” é gratuito e terá a duração de cinco meses, passando por diversas áreas da produção cinematográfica, tendo como base o cinema de quebrada e a produção com baixo orçamento. As inscrições são feitas por meio deste formulário até o dia 20 de abril.


Mais do que notícias, trazemos um jeito de ver o mundo.
Assine e integre nossa comunidade: catarse.me/nosmulheresdaperiferia


Temas: