Este episódio do podcast Conversa de Portão integra a série Feminismos, em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo.

O episódio #40 do Conversa de Portão faz parte da série ‘Feminismos’, desenvolvida em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. Com publicações previstas para a última terça-feira de cada mês, a ideia é contar histórias de mulheres ou abordar temas relacionados a luta das mulheres no Brasil e no mundo. Depois da intelectual Sueli Carneiro, a jornalista Semayat Oliveira narra aspectos da trajetória de sua antecessora, Lélia Gonzalez.

Mineira nascida em 1935, Lélia de Almeida Gonzalez é uma mulher que enfrentou os limites impostos às mulheres negras do seu tempo. Durante a sua juventude, ela entra para estudar no Colégio Pedro Segundo, no Rio de Janeiro, ao lado de uma elite branca na qual ela se destaca e, portanto, sua chegada à universidade se torna inevitável. Mais tarde, casada com um homem branco de origem espanhola, Lélia sempre sofreu rejeição desta família e foi muito difícil manter esse matrimônio.

Professora, tradutora, intelectual, militante de movimentos e de partidos, Lélia esteve em muitos lugares ao mesmo tempo e deixou como legado um pensamento essencial para a discussão sobre antirracismo, feminismo negro e interseccionalidade, temas que hoje são mais presentes em nosso dia a dia. É no universo de Lélia que a Série Feminismos mergulha neste episódio.

Para narrar sua história, a âncora do episódio entrevistou Flavia Rios, socióloga e escritora, e Raquel Barreto, historiadora e escritora, ambas são pesquisadores do pensamento e vida Lélia. Para ouvir, acesse nossos canais no SpotifyGoogle PodcastDeezer ou no Youtube do nosso parceiro, UOL.

Ouça aqui:

https://open.spotify.com/episode/5hMFoMJmWvyqxKuIkuPesh

_____________________________________________________________________________________________________________________
Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar.
_____________________________________________________________________________________________________________________