Este episódio do podcast Conversa de Portão integra a série Feminismos, em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo.

O episódio #36 do Conversa de Portão faz parte da série ‘Feminismos’, desenvolvida em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. Com publicações previstas para a última terça-feira de cada mês, a ideia é contar histórias de mulheres ou abordar temas relacionados a luta das mulheres no Brasil e no mundo. Depois da sindicalista Margarida Maria Alves, a jornalista Semayat Oliveira narra aspectos da trajetória da pensadora Sueli Carneiro até o atual momento.

Filósofa, escritora e ativista do movimento social negro brasileiro, Sueli Carneiro esteve presente em marcos fundamentais do avanço político contra o racismo. Em 1988, ela e outras mulheres negras fundaram o Geledés –  Instituto da Mulher Negra. Seu pensamento e obra intelectual “criam um chão”, como disse uma das participantes deste episódio, para que as próximas gerações pisem. Seu trabalho é uma ponta de lança sobre como enegrecer o feminismo e sobre as raízes que estruturam o racismo no Brasil.

É por isso que, sem Sueli Carneiro, talvez o Nós, mulheres da periferia nem existisse. Ela nasceu em 1950, na cidade de São Paulo, e esteve presente em marcos fundamentais em relação ao avanço político contra o racismo.

Neste episódio, a âncora Semayat Oliveira entrevistou mulheres que pegaram o bastão dessa luta. Bianca Santana, jornalista e escritora da biografia “Contínuo preta: A vida de Sueli Carneiro”, lançado recentemente pela Companhia das Letras. Além disso, temos a participação da jornalista e pesquisadora Maitê Freitas, a arquiteta urbanista e pesquisadora Gabriela Gaia e Juliana Gonçalves, jornalista e ativista.

Para ouvir, acesse nossos canais no Spotify, Google Podcast, Deezer ou no Youtube do nosso parceiro, UOL.

Ouça aqui:

_____________________________________________________________________________________________________________________
Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar.
_____________________________________________________________________________________________________________________