Este episódio do podcast Conversa de Portão integra a série Feminismos, em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. O episódio #32 do Conversa de Portão faz parte da série ‘Feminismos’, desenvolvida em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo. Com publicações previstas para a última terça-feira de cada mês, a ideia é contar histórias de mulheres ou abordar temas relacionados a luta das mulheres no Brasil e no mundo. Depois da revolucionária Rosa Luxemburgo, a jornalista Semayat Oliveira traz a trajetória da sindicalista paraibana Margarida Maria Alves. Tudo começa a partir da seguinte pergunta: que relação você tem com a sua terra? A que te remete o teu lugar de origem? Essa reflexão parece cada vez mais distante do cotidiano dos grandes centros urbanos. Ao mesmo tempo, a disputa por terras e as tensões entre latifundiários, camponeses, populações indígenas e quilombolas continuam gerando conflitos que muitas vezes seguem despercebidos aos nossos olhos. Nos últimos meses, a participante do Big Brother Brasil Juliette Freire chamou a atenção do Brasil para o Estado da Paraíba e deixou evidente a paixão que sente pela sua terra e por ser paraibana. A Paraíba é a terra das cantoras Elba Ramalho e Lucy Alves, mas também de Margarida Maria Alves. Diferente da sister, poucas pessoas conhecem os passos de Margarida. Ela foi a primeira mulher a ocupar a presidência de um sindicato de trabalhadores rurais e acabou assassinada, em 1983, por ser uma defensora intransigente dos direitos humanos. Para narrar sua história, a âncora do episódio entrevistou Mirella Braga, professora do Centro Universitário de João Pessoa e do Instituto Federal da Paraíba e Tassiana Barreto, da direção do MST em São Paulo. Para ouvir, acesse nossos canais no Spotify, Google Podcast, Deezer ou no Youtube do nosso parceiro, UOL.

Ouça aqui:

_____________________________________________________________________________________________________________________ O Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar. _____________________________________________________________________________________________________________________