Pra fechar o ano que não quer acabar, as âncoras do Conversa de Portão se reúnem para comentar o que as deixou exaustas em 2020, recapitulando os principais fatos do ano para as mulheres da periferia.

Cada um fez um resumo de algumas pautas que acompanhou, além de também conversarem sobre como cada uma lidou com a chegada e a permanência da pandemia até os dias de hoje.

Foi mais um ano em que as mulheres mostraram como levam esse mundo e esse Brasil com cuidado, e o quanto o cuidado é revolucionário, disse a jornalista e cofundadora Mayara Penina. “Impossível ser mulher e não estar exausta”.

Também destacamos que o luto esteve especialmente presente nas periferias, seja em consequência do maior número de mortes de pessoas negras e periféricas pela covid-19, seja pelo aumento da violência estatal, que também teve mais pessoas negras e periféricas como vítimas.

Ouça mais:

Conversa de Portão #14: o que é necropolítica ou política da morte?

Temas:

Sobre a autora:

Semayat S. Oliveira

Semayat Oliveira, jornalista e escritora. Nascida no Jardim Miriam, zona sul de São Paulo