Como cuidar da saúde mental das crianças na pandemia? “Fiquei com medo quando descobri que as pessoas estavam morrendo”. “Fiquei tão triste no começo da quarentena, porque eu tava ansioso para ver meus amiguinhos”. “Eu tava triste e eu tava nervosa, porque eu não podia brincar com meus amigos. Não podia abraçar eles, não podia andar de bicicleta. Tava com medo, porque eu tava pensando: e se isso ficar para sempre”? Os depoimentos de Joaquim, 7, Renato e Maria, ambos de 9, abrem o 5º episódio do Conversa de Portão, que traz uma dolorosa reflexão: com menos ou mais atravessamentos, as crianças estão sofrendo um impacto bastante significativo na saúde mental por causa da pandemia.

A jornalista Mayara Penina conversa com a psicóloga Ana Paula Pereira sobre a saúde mental de crianças na pandemia. Considerando as diversas vivências de infâncias no Brasil, como cuidar do sentimento das crianças que estão longe da escola?

Ana Paula Pereira é especialista em saúde coletiva e compõe a coordenação pedagógica da Residência em Saúde Coletiva com foco na Primeira Infância na Universidade Federal da Bahia. “Não tem como a gente pensar em saúde mental das crianças sem pensar os atravessamentos de classe e raça”, disse ela.

Ouça o episódio

Nós, mulheres da periferia está com uma campanha de financiamento recorrente no Catarse. Apoie o jornalismo independente feito por mulheres, apoie o Nós. Acesse catarse.me/nosmulheresdaperiferia para nos apoiar.


Ouça também