Mundialmente o mês de outubro é lembrado como um marco da luta contra o câncer de mama. Em parceria com a GE, o Nós, mulheres da periferia promoverá nesta quinta-feira, dia 8 de outubro, uma conversa sobre saúde da mulher no Cieja Campo Limpo (Escola para Jovens e Adultos) e haverá, ainda, agendamento gratuito de mamografia para 60 participantes que estejam dentro da faixa etária.
Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 40% das mulheres brasileiras, de 50 a 69 anos de idade, não fazem mamografia. O maior número de mamografias foi realizado por mulheres brancas (66,2%) e com superior completo (80,9%). As menores proporções foram observadas em mulheres negras (54,2%), pardas (52,9%) e com fundamental incompleto (50,9%).

Crédito: Regiany Silva, Nós mulheres da periferia. Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde

Crédito: Regiany Silva, Nós mulheres da periferia. Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde


O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. Dados do Instituto do Câncer (Inca) apontam que, no Brasil, as taxas de mortalidade continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados.
De acordo com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), existem 2.507 mamógrafos em uso no SUS. O parâmetro é de um mamógrafo para cada 240 mil habitantes, portanto a necessidade corresponderia a 833 equipamentos.
A má distribuição dos equipamentos, privilegiando as grandes cidades e capitais, somada à dificuldade de acesso ao Sistema Único de Saúde, reduz a possibilidade de atendimentos das mulheres que moram em estados, cidades ou bairros considerados periféricos.
Crédito: Regiany Silva, Nós mulheres da periferia. Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde

Crédito: Regiany Silva, Nós mulheres da periferia. Fonte: Pesquisa Nacional de Saúde


A região Norte registrou a menor proporção de mulheres que haviam feito o exame (38,7%), seguida das regiões Nordeste (47,9%), Centro-Oeste (55,6%), Sul (64,5%) e Sudeste (67,9%).
No encontro #AbraceoRosa no CIEJA, uma médica participará para dar orientações para as mulheres e integrantes do Nós, mulheres da periferia e da rede de mulheres da GE participarão de um debate sobre independência feminina.
O CIEJA Campo Limpo fica na Rua Cabo Estácio da Conceição, 176 – Parque Maria Helena, próximo ao Terminal Capelinha, zona sul de São Paulo.
 

Sobre a autora:

Semayat S. Oliveira

Semayat Oliveira, jornalista e escritora. Nascida no Jardim Miriam, zona sul de São Paulo