A Espiritualidade como ponte para a sexualidade plena

Ao superar os sentimentos de culpa e vergonha, abri espaço para uma compreensão mais holística de mim mesma

13|12|2023

- Alterado em 13|12|2023

Por Pam Ribeiro

Na minha jornada, descobri que a busca pela conexão espiritual muitas vezes vem acompanhada de sentimentos complexos de culpa e vergonha em relação à sexualidade. Em muitos lugares, acredita-se que esses dois aspectos da vida são incompatíveis, criando uma percepção equivocada de que a espiritualidade deveria existir em uma esfera separada.

Entretanto, ao explorar mais profundamente esses sentimentos e contar com o auxílio dos meus guias espirituais, percebi que essa dicotomia era mais uma construção social do que uma realidade. A sexualidade não deveria ser excluída do caminho espiritual. Pelo contrário, pode ser uma parte integral e enriquecedora dele.

Ao superar os sentimentos de culpa e vergonha, abri espaço para uma compreensão mais holística de mim mesma.

Pam Ribeiro – Bruxa Preta

Meus guias me ensinaram que a sexualidade é uma expressão natural da experiência humana, e sua integração no caminho espiritual pode potencializar todo o processo, trazendo uma conexão com o eu interior e com os outros. Inclusive, melhorando nossas relações, para além do ato sexual.

A aceitação da sexualidade como uma faceta da existência me permitiu romper com as limitações autoimpostas, criando um terreno fértil para a integração e alinhamento com o que acredito e desejo viver nesse mundo.

Portanto, encorajo todos a explorarem essa junção, deixando para trás a culpa e a vergonha, e se abrindo para uma compreensão mais inclusiva e amorosa de si mesmos.

Larissa Larc é jornalista e autora dos livros "Tálamo" e "Vem Cá: Vamos Conversar Sobre a Saúde Sexual de Lésbicas e Bissexuais". Colaborou com reportagens para Yahoo, Nova Escola, Agência Mural de Jornalismo das Periferias e Ponte Jornalismo.

Os artigos publicados pelas colunistas são de responsabilidade exclusiva das autoras e não representam necessariamente as ideias ou opiniões do Nós, mulheres da periferia.