Não faltaram momentos de reverência à cultura negra nos desfiles das escolas de samba do Carnaval 2022, que ocorreram entre os dias 20 e 24 de abril em São Paulo e no Rio de Janeiro. Personalidades negras foram homenageadas em peso pelas agremiações, assim como religiões de matriz africana.

O Nós, mulheres da periferia selecionou dez referências à cultura negra no Carnaval 2022.

Confira!

Cultura iorubá

A escola de samba Portela, do Grupo Especial do Rio de Janeiro, representou a árvore de origem africana baobá, simbolizando a ancestralidade e a resistência do povo negro. A cultura iorubá foi reverenciada no carro abre alas, com a presença da Tia Surica, sambista da Velha Guarda da Portela. A escola homenageou ainda o seu presidente de honra Monarco, que faleceu no ano passado. 

Sankofa

Foi com o enredo “Sankofa! Volte e pegue, Vai-Vai” que a escola de samba Vai-Vai, do Grupo Especial de São Paulo, desfilou no sambódromo. Sankofa é um ideograma de pássaro africano que ensina: “nunca é tarde para voltar atrás e buscar o que ficou perdido”. A partir desse símbolo, a escola recupera o legado do império axante, estado pré-colonial da África Ocidental. 

Sabedoria de Orunmilá

Saudando a sabedoria do orixá Orunmilá e a diáspora africana, a Paraíso do Tuiuti fez referência a homens e mulheres negras que fizeram história, como: Dandara e Zumbi dos Palmares, Mãe Stella, Nelson Mandela e Beyoncé. A escola carioca contou também com carros em homenagem ao Pantera Negra e às “Estrelas Além do Tempo”, cientistas negras da NASA que colaboraram na corrida espacial. 

Orixá Oxossi

Oxossi, o orixá caçador que tem sob seu domínio o arco e flecha, foi o protagonista do desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel. Com o enredo “Batuque ao Caçador”, os integrantes da escola carioca se apresentaram de cabeças raspadas, inclusive a rainha de bateria Giovanna Angélica, num ato de respeito ao orixá. Durante o desfile, um drone que simbolizava uma flecha voou pela avenida. 

Orixá Exu

Com o samba-enredo “Fala, Majeté! Sete chaves de Exu”, a Acadêmicos do Grande Rio buscou desmistificar preconceitos sobre Exu, entidade que permite a comunicação entre humanos e orixás, e costuma ser associada ao diabo, no entendimento cristão. A rainha de bateria Paola Oliveira foi vestida de Pombagira, versão feminina de Exu. 

Racismo ao chão

Um obelisco com a palavra “racismo” foi derrubado durante o desfile do Salgueiro. A cena faz referência aos protestos anitirracistas e a derrubada de estátuas em homenagem a escravocratas, que ocorreram em 2020 após o assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos. Com o tema de resistência, a escola representou a religião de matriz africana umbanda e fez homenagens a nomes como Marielle Franco, Moïse Kalagambe, Haroldo Costa e Mary Marinho. 

Contribuição intelectual, cultural e artística do povo preto

A Beija-Flor de Nilópolis também lembrou dos protestos antirracistas de 2020 e estampou os dizeres “Vidas Negras Importam”. A partir do enredo “Empretecer o pensamento é ouvir da voz da Beija-Flor”, a agremiação celebrou a contribuição intelectual, cultural e artística do povo preto que sofreu apagamento. 

Homenagem a Carolina Maria de Jesus

A Colorado do Brás, escolheu a escritora Carolina Maria de Jesus para homenagear em sua passagem na avenida no carnaval de 2022. Com o enredo “Carolina – A Cinderela Negra do Canindé”, a escola contou a história desse nome importante na literatura brasileira. O desfile também foi o primeiro com uma rainha de bateria trans em São Paulo, com Camila Prins.

Tributo a Clementina de Jesus

Outra mulher negra homenageada nesse carnaval foi a cantora Clementina de Jesus. A Mocidade Alegre celebrou a história da sambista com o enredo “Quelémentina, Cadê Você?”. Em um dos momentos do desfile, a agremiação se ajoelhou para reverenciar a personalidade. 

Homenagem a Cartola, Jamelão e Delegado

A Mangueira prestou homenagens aos sambistas Cartola, Jamelão e Delegado. A Verde e Rosa entoou o enredo  “Angenor, José e Laurindo”, em referência aos nomes de batismo das três personalidades. O sambista Nelson Sargento, que morreu no ano passado, também foi lembrado no desfile. 


Mais do que notícias, trazemos um jeito de ver o mundo.
Assine e integre nossa comunidade: catarse.me/nosmulheresdaperiferia

Temas: