A pesquisa Retratos da Leitura do Instituto Pró-Livro, lançada ano passado, indica que o Brasil perdeu cerca de 4,6 milhões de leitores entre 2015 e 2019. Muitas podem ser as razões para esse dado, desde o preço dos livros à ausência de bibliotecas e espaços de leitura. 

No episódio 16 do podcast Conversa de Portão, a jornalista Lívia Lima trocou uma ideia com Alessandra Leite e Michele Andrade, da Biblioteca Comunitária Djeane Firmino, que fica na região do Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, para falar sobre o assunto.

As duas agentes culturais consideram que, no contexto da pandemia, até mesmo as condições psicológicas e de moradia influenciam na leitura, mas que a questão do acesso também é fundamental para compreender o hábito cultural nas periferias.

Apesar de a pesquisa Retratos da Leitura indicar que as pessoas entrevistadas alegam que ninguém as influencia a manter o hábito, é importante considerar que as condições sociais e econômicas determinam essa prática.

 

Alessandra Leite acredita que para estimular o hábito é necessário, antes de tudo, que aconteça um “encantamento” pelos livros, que pode se dar pela relação com outras manifestações culturais, como os saraus, por exemplo.

Alessandra deu, ainda, dicas para como mulheres podem conciliar a maternidade com a leitura. E, ao final, as duas recomendam livros interessantes para se ler. Confira!

O podcast Conversa de Portão é produzido pelo Nós, mulheres da periferia em parceria com UOL Plural, publicamos novos episódios toda terça-feira. Com produção de Carol Moreno, direção musical de Sabrina Teixeira Novaes, trilha sonora e edição de som por Sabrina e Camila Borges.

Leia Mais: 

“Criamos o selo literário como emancipação feminina”

Temas: