As Eleições de 2018 foram marcadas pela circulação de grande número de notícias falsas (as chamadas fake news, em inglês) pelas redes sociais.

O presidente eleito Jair Bolsonaro, durante uma entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo no dia 29 de outubro, atacou o jornal Folha de S. Paulo  dizendo que “por si só, esse jornal se acabou”. A reação dos leitores, no entanto, foi no sentido contrário: conforme relato da Folha, os leitores fizeram uma campanha espontânea de assinaturas de apoio ao jornal.

Mas, e as mídias periféricas?

Para o Nós, mulheres da periferia, é importante lermos veículos que tragam, minimamente, uma relação com a sociedade periférica, e que as pessoas consigam se ver representadas nas notícias, inclusive para conseguir entender o atual cenário político, econômico e social pelo qual passa o Brasil.

Para colaborar nessa busca por notícias, listamos aqui veículos periféricos que têm como função  falar sobre assuntos relevantes para a população periférica.

Confira a lista e ajude a apoiar e divulgar

1 – Nós, mulheres da periferia

O Nós, mulheres da periferia é um coletivo de jornalistas moradoras de diferentes regiões periféricas da cidade de São Paulo. A principal diretriz é disseminar conteúdos autorais produzidos por mulheres e a partir da perspectiva de mulheres, tendo  como fio condutor a intersecção de gênero, raça, classe e território.

2 – Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. No portal, você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira.

3 – Periferia em Movimento

O Periferia em Movimento é um coletivo de comunicação sobre, para e a partir das periferias criado por jornalistas do extremo sul de São Paulo da cidade de São Paulo. Incomodados com a narrativa limitada, geralmente negativa e superficial, apresentada pela mídia convencional sobre nossa realidade e equipe luta por uma mídia mais democrática e plural.

4 – Blogueiras Negras

O Blogueiras Negras é construído por uma comunidade de mulheres comprometidas com gênero e raça. A missão é promover a livre produção de conteúdo, partindo do princípio de que às mulheres negras sempre lhes foi negado lugares e discursos.

5 – MigraMundo

O MigraMundo é um um espaço para abordar, informar e debater sobre as múltiplas facetas que permeiam as migrações no Brasil e no mundo. Ele contém tanto notícias e relatos sobre problemas vividos pelos migrantes dentro e fora do país como avanços e reconhecimentos obtidos na questão migratória.

6 – Historiorama

 

A Historiorama é um projeto de educação e comunicação a partir do Campo Limpo, periferia da zona sul de São Paulo, que trabalha fortalecendo o direito que todas e todos têm de contar a história do mundo. Desenvolve o jornal comunitário Embarque no Direito, sobre direito sociais e o Podcast Feito Nós, em que personagens da periferia contam sua própria história.

7 – Dicampana

O DiCampana é um coletivo formado por fotógrafos, que se propõem a contribuir com a construção de um imaginário social sobre as periferias e suas peculiaridades, que revele a diversidade que reside nas quebradas. As fotos retratam o cotidiano das centenas de periferias e favelas espalhadas pelo mundo.

8 – Mural – Agência de Jornalismo das Periferias

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo. O correspondentes são especialistas em suas regiões e usam as ferramentas do jornalismo de boa qualidade para contar as histórias que ninguém conta.

9 – TV Doc Capão

A TV DOC é um coletivo de jovens que se propõem, através dos meios de comunicação multimídia, a conscientizar e incentivar a participação dos jovens dentro da sua comunidade como protagonistas de uma história diferenciada, sendo assim, contribuindo para uma sociedade justa e democrática.

10 – Casa no Meio do Mundo

O objetivo da Casa do Meio do Mundo é fomentar o desenvolvimento e a pesquisa cultural, artística e criativa através de uma plataforma educacional com o objetivo de criar e reproduzir conteúdo inteligente para promoção a inclusão, justiça social e preservação do meio ambiente.

11 – Desenrola e não me enrola

O Desenrola E Não Me Enrola tem o objetivo de atuar na veiculação de informação sobre os fatos socioculturais que acontecem na periferia de São Paulo. Buscam destacar um olhar positivo nas reportagens que abordam o que de melhor acontece na música, teatro, esporte, literatura e ações desenvolvidas por articuladores culturais das comunidades.

Sobre a autora:

Mayara Penina

Mayara é jornalista e moradora do Campo Limpo, zona sul de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *