A programação da 9ª edição da Flup – Festa Literária das Periferias tem início nesta quinta-feira (29) e se encerra em 8 de Novembro. Neste ano, a Festa será realizada totalmente online, via as redes sociais da Flup. Os debates serão norteados pelo trabalho da autora e ativista negra Lélia Gonzalez. A Festa também contará com lives de Slam, rodas de conversa e entrevistas.

Flup homenageia

Tendo Lélia, importante mulher do feminismo negro brasileiro, como referência literária e teórica, o conceito de “amefricanidade” fará parte das atividades previstas.

Lélia Gonzalez aborda a luta feminista e negra na América Latina

Crédito: Fábio Donato/ Wikimedia

Esta edição também traz o lançamento de uma coletânea de ensaios, artigos e entrevistas de Lélia Gonzalez. Organizada por Flávia Rios e Márcia Lima, esta é uma maneira de fortalecer a memória de seu trabalho.

Temas como políticas afirmativas, feminismo negro, ancestralidade e arte indígenas também farão parte da programação.

#FlupPeloMundo

Os debates da Flup abarcam a realidade das periferias do mundo inteiro. Por isso, no segundo fim de semana da programação terá início a Flup pelo Mundo.

Este será o momento para discussões sobre políticas anti-imperialistas e antirracistas, a luta contra o genocídio do povo negro e indígena, e a existência e resistência do corpo negro.

Temas oportunos para a atualidade. Exemplo disso é a adesão e o apoio dos movimentos ao redor do mundo à resistência negra norte-americana e manifestações massivas contra a violência policial.

Parte do enfrentamento a esses ataques se dá também pelo fortalecimento da identidade e pela compreensão do que é viver a diáspora, assuntos fundamentais que compõem alguns desses painéis internacionais.

Convidados

No site oficial da Flup, são destacados nomes como Rita Bosaho, da Espanha, e Beatriz Gomes de Portugal, ativistas que fazem parte da primeira geração de parlamentares negras na Península Ibérica.

Nomes do feminismo negro francófono também enriquecem a programação, com a participação de Léonora Miano, Nadia Yala Kisukidi e Hélène Neveu.

Assa Traoré, do movimento dos Coletes Amarelos, e Priscillia Ludosky, do Black Lives Matter, também farão parte da programação.

​Construir pontes

Em menção à homenageada Lélia Gonzalez, a organização da Flup 2020 acredita que a autora certamente acompanharia os debates sobre a diáspora africana e a resistência negra no mundo, e que muito mudou desde 25 de maio deste ano, “quando George Floyd foi se encontrar com Lélia Gonzalez no Orum”.

 

Leia também

 

Escritora Geni Guimarães é a homenageada da Balada Literária 2020

 

Biblioteca Virtual valoriza acervo sobre Parelheiros

Festa Literária das Periferias 2020

Qui 29/10/2020 às 19:30 até Dom 08/11/2020 às 11:00

Redes Sociais da Flup

Observações: As lives serão transmitidas via o canal da Flup no Youtube (https://www.youtube.com/c/FLUPRJ/featured) e Facebook (https://www.facebook.com/FlupRJ)

Mais informações: https://www.facebook.com/FlupRJ

As informações acima são de responsabilidade do organizador do evento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Temas: