“Lutamos juntas contra as tropas, que assassinam nosso povo, tropas no Rio não passarão. Somos todas Marielle”. O grito de guerra entoado por milhares de pessoas ontem (15) na Av. Paulista aquecia, mesmo que minimamente, o coração de todas as pessoas estarrecidas com o assassinato da vereadora Marielle Franco.

Veja também: Nota de pesar: justiça por Marielle Franco

Palco de tantas outras manifestações, o ato de ontem não foi apenas político ou militante, ele foi, antes, o abraço em meio a um funeral em nível nacional. Ao encontrar os amigos, as pessoas não conversavam, elas se abraçavam num lamento profundo, tão profundo quanto a dor que agora sentiam perante a morte de mais uma de nós.

Nas mãos levantadas, bandeiras, faixas e cartazes pediam justiça e marcavam a presença marcante de Marielle. “Marielle, presente. Marielle, presente. Hoje e sempre”.

São Paulo tem ato em homenagem à vereadora Marielle Franco.

Crédito: Jéssica Moreira,

No meio da Consolação, uma projeção em letras garrafais lembrava os manifestantes “Vidas negras importam, nossos passos vêm de longe”, enquanto papéis brancos caíam feito chuva em homenagem à vereadora que lutou incansavelmente pelos direitos da população preta, pobre e favelada. Negras e negros, ali, sabem que essa não é a primeira, nem será a última morte de nosso povo, infelizmente.

Em outra ponta, as baterias dos movimentos davam o tom de uma tristeza que vem sempre a outras, tantas, camadas de raiva. “Não acabou, tem que acabar eu quero o fim da polícia militar”, denunciavam não só uma, mas milhares de vozes.

Ato exige apuração e justiça à Marielle

Uma faixa gigante ia caminhando carregada por muitas pessoas. Quando parou, hasteada pelo chão, era possível ler a larga indagação “Onde estão os negros?”, enquanto no entorno uma mulher lembrava os tantos nomes já assassinados nos últimos tempos. “Mariella, presente. Anderson, presente”.

No alto, helicópteros e drones sobrevoavam o mar de gente. Talvez, eles tenham tido dimensão da quantidade, enquanto a gente não consegue medir nem a dor, que, em união, pelo menos vira aconchego entre os nossos e nossas iguais.

Vereadora do PSOL foi morta a tiros dentro de carros na região central do Rio.

Crédito: Regiany Silva

Temas:

Local da notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *