Por Lívia Lima | 19/03/2020

Este conteúdo faz parte do Especial “Na periferia da saúde: precarização do SUS afeta mais as mulheres negras e pobres”.

O movimento de saúde da zona leste, historicamente reconhecido por sua proporção e suas conquistas, se fez a partir da atuação de mulheres em seus pequenos bairros. Dentre eles, o meu: Jardim Nordeste.

Este bairro em que as ruas homenageiam cidades nordestinas, principalmente, do Ceará. Crato, Petrolina, Esperantina, Juazeiro, origens da maioria de sua população, migrante, quando em sua fundação.

Aparentemente insignificante, em uma pesquisa simples na internet, as poucas referências sobre sua história recaem sobre a forte mobilização que aconteceu aqui entre os anos 70 e 80 para que houvesse equipamentos e atendimentos de saúde para sua população.

O médico sanitarista e pesquisador João Palma destaca o protagonismo do bairro no livro “Lutas sociais e construção do SUS”:

“Em março de 1979 seria eleito o Conselho Popular de Saúde do Jardim Nordeste, na periferia leste da cidade de São Paulo, por voto direto e secreto, com 8.146 votantes. No mesmo processo, seria eleita a Comissão de Saúde, organização popular autônoma e independente, voltada às lutas mais gerais do bairro e suporte à ação dos conselheiros da unidade de saúde. Em 30 de setembro, após intensa mobilização e panfletagens na porta das igrejas, nas feiras livres, nas escolas, no comércio e nas ruas, além de um trabalho casa a casa, ocorreria uma assembleia popular no bairro, com cerca de oitocentos participantes”.

Hoje não consigo imaginar um evento ou qualquer outra situação que reúna no bairro oitocentas pessoas, nem no samba dos amigos, que costumava acontecer mensalmente no Clube da Comunidade ou no Largo Juparanã. Mas aqueles foram outros tempos.  Um período de efervescência a favor das causas populares e no enfrentamento à ditadura militar.

João Palma também relaciona em seu livro a semelhança e relações que o movimento de saúde da zona leste tinha com o movimento sindical do ABCD, Movimento do Custo de Vida, entre outras experiências, que como Eder Sader aponta em “Quando novos personagens entraram em cena”, foi determinante para uma nova configuração social no Brasil a partir de então.

Reconhecido como pioneiro e influência para toda a mobilização que se deu depois, o movimento de saúde da zona leste começou a se estruturar mais a partir daquela reunião com 800 pessoas aqui no Jardim Nordeste.

Em 27 de outubro de 1979, as doze conselheiras eleitas tiveram seus nomes comunicados no Diário Oficial do Estado. Estava instituído o primeiro Conselho Popular de Saúde da cidade de São Paulo (…). Em março de 1983 aconteceu o I Encontro dos Movimentos e Conselhos de Saúde da Zona Leste, com a presença de cento e cinquenta pessoas de trinta e sete bairros – do Movimento de Saúde de São Mateus, do Movimento de Saúde do Jardim Nordeste e das Comissões de Saúde que formavam a União de Bairros (…). Estava criado o Movimento de Saúde da Zona Leste”. “Lutas sociais e construção do SUS” de João Palma

Moradora de São Miguel Paulista, a dona de casa Fermina Silva Lopes, 66 anos, integrante ainda hoje do Movimento de Saúde da Zona Leste, me relembrou em entrevista na sede do movimento, um espaço cedido na COHAB 2, em Itaquera, as primeiras ações coletivas das mulheres que deram origens às formações dos conselhos.

“Eu entrei nos anos 80, mas antes já tinha muitas mulheres no movimento. Elas lutavam em várias frentes. A gente trabalhava muito essa questão social escondida dos maridos. Eles iam trabalhar, a gente pegava as crianças e ia pra luta. Desde que quando chegasse a comida tivesse pronta, eles jamais sabiam que a gente tinha feito alguma loucura. As primeiras bandeiras foram com as mulheres, que são as que mais necessitam né? Eu levava minha filha para tomar vacina 4h . Só tinha uma unidade de saúde na minha região, que era um CS1, do Estado. Se a gente chegasse 7h não tinha mais vacina. Isso foi em 1974. Depois veio a luta pelas unidades básicas e a gente na zona leste conseguiu oito unidades. Era época do Jânio Quadros e ele não queria inaugurar as unidades antes da eleição. As mulheres pintaram plaquinhas de madeira e inauguraram as unidades, combinaram em toda a zona leste, em tal dia e horário todo mundo vai para a sua unidade fechada. Naquele tempo a Globo até que vinha, aí chamaram a Globo e a noite apareceu no jornal e o Jânio Quadros quis morrer: tantas unidades fechadas e as mulheres inaugurando, colocando plaquinhas”.

Com o sucesso em ações como essas, as mulheres começaram a se organizar cada vez mais, com o objetivo de implantar mais postos de saúde na região. Em um desses atos, registrado no Jornal Folha de São Paulo, de 26 de agosto de 1983, três mil integrantes do Movimento de Saúde da Zona Leste foram em 60 ônibus até a sede da secretaria, na avenida Dr. Arnaldo, na região central, negociar com o então secretário de saúde João Yunes, reivindicando “a construção de quatorze Centros de Saúde, seis hospitais, um ambulatório e melhoria no atendimento médico na região através da contratação de novos funcionários”.

A partir de atos, manifestações e reuniões, as mulheres, orientadas por lideranças religiosas da Igreja Católica do período, que teve forte influência nos movimentos sociais, além de ajuda dos jovens médicos sanitaristas que passaram a atuar nestes territórios, o Movimento de Saúde se expandiu para além da zona leste, foi ganhando forma, e sua organização específica foi fundamental para a estrutura que o Sistema único de Saúde veio a ter a partir da Constituição Federal em 1988, embasado, sobretudo nos documentos formulados na 8ª Conferência Nacional de Saúde, ocorrida em 1986, em Brasília, na qual as donas de casa das periferias de São Paulo também estiveram presentes.

Me orgulha imaginar que hoje moro em uma região que possui melhorias a partir da mobilização e luta de tantas mulheres, algumas delas que ainda hoje vivem no meu bairro, e que posso ocasionalmente encontrar em uma consulta no posto de saúde, no supermercado, na fila do Banco 24 horas (porque apesar de muitos avanços, não temos agências bancárias).

Leia também

‘Existem dois mundos: o dos ricos e o dos pobres’, diz ativista de saúde

Temas:

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.

Local da notícia: