As manas que ainda não assistiram ao nosso documentário Nós, carolinas – vozes de mulheres da periferia temos uma novidade boa para vocês. O documentário continuara on-line até domingo.

Dona Carolina Augusta de Oliveira / crédito: Vinicius Bopprê

Crédito: Dona Carolina, uma das entrevistadas

Sabemos da correria da semana por isso decidimos ampliar esse prazo.

Pega a pipoca, chama as amigas e aproveita.

 

Sinopise

Uma senhora cheia de memórias sobre o interior de São Paulo. Uma menina que se orgulha de seu cabelo black-power. Uma mulher que voltou a estudar depois dos 50 anos e uma arte-educadora que dribla o tempo para conciliar maternidade e sua vida pessoal. Todas elas unidas por uma mesma geografia: a periferia da cidade de São Paulo. “Nós, Carolinas” traz as vivências e vozes de quatro mulheres que moram em diferentes bairros: Parque Santo Antônio, zona Sul; Jova Rural, zona norte; Perus, região noroeste e Guaianases, na zona leste. Joana Ferreira, Carolina Augusta, Renata Ellen Soares e Tarcila Pinheiro falam o que é ser mulher da periferia em cotidianos particulares, mas conectados pelo recorte de classe, raça e de gênero. Assim como a escritora Carolina Maria de Jesus, que encontrou na escrita um instrumento para superar sua invisibilidade, essas outras Carolinas também invisíveis aos olhos do centro, usam a potência de sua voz para romper silêncios.

Ficha Técnica

Título Original: Nós, Carolinas
Gênero: Documentário
Tempo de Duração: 17 minutos
Ano de Lançamento (Brasil): 2017

Direção/Roteiro/Produção:
Coletivo Nós, mulheres da periferia
Aline Kátia Melo
Bianca Pedrina
Jéssica Moreira
Lívia Lima
Mayara Penina
Regiany Silva
Semayat Oliveira

Classificação: Livre

Imagens
Daniele Menezes
Elis Menezes
Edison Rodrigues Galindo Júnior
Naná Prudêncio
Vinícius Bopprê
Yasmin Santos

Edição, Montagem e animação
Ananda Radhika

Videografismo e direção de arte
Regiany Silva

Trilha sonora
Mulher do Fim do Mundo (Elza Soares)

Curadoria musical
Ananda Radhika

Entrevistadas
Dona Carolina Augusta de Oliveira
Joana Ferreira de Carvalho
Tarcila Pinheiro
Renata Ellen Soares Ribeiro

Temas:

Local da notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:

  1. Mulheres da perferia trabalhadoras
    Educadoras dos filhos de seus patroes,cuidadoras dos lares,em trocas de um salario minimo pouco da a seu sustento
    E nao e legalisada dimunuindo sua condicao de vida ao alcancas sua melhor idade
    Mulher que deveria ser respeitada pela sua contribuicao ma vida social deste na qual sao seus algoses,pelo deslexo ao desrespeitar que, tanto contribuiu