Por Bianca Pedrina | 02/02/2018

Foi publicada, na última segunda-feira (29), uma resolução do Conselho Federal de Psicologia que impede psicólogos de praticarem “terapias de conversão, reversão, readequação ou reorientação de identidade de gênero” voltadas aos travestis e trans.

A resolução do Conselho vale para todo o território nacional. Psicólogos que infringirem essa norma podem sofrer processo ético.

A regra entrou em vigor no Dia da Visibilidade Trans, celebrada desde 2014. A data é marcada por campanhas que exigem o fim do preconceito contra mulheres e homens travestis e trans.

Entre os pontos defendidos nessa resolução estão à exigência aos psicólogos para que atuem “contribuindo com o seu conhecimento para uma reflexão voltada à eliminação da transfobia e do preconceito”.

Ainda segundo a medida, esses profissionais não podem ser “coniventes” ou omissos “perante a discriminação”.

A resolução também proíbe “instrumentos ou técnicas psicológicas para criar, manter ou reforçar preconceitos, estigmas, estereótipos ou discriminações”.

Pela norma, não é permitida atitude que “favoreça a patologização das pessoas transexuais e travestis”.

Para a psicóloga Laura Augusta, que também integra a rede Dandaras, essa resolução representa um importante avanço para quem atua nessa área.

“Ainda existirem muitos profissionais que acusam essa resolução de limitar o exercício da profissão. Isso só demarca o perigo do conservadorismo e do discurso religioso dentro da psicologia. Mas estamos caminhando com muita luta, em frente”, pondera.

Avanço, mas sem baixar a guarda

Medidas no sentido inverso dessa resolução ainda estão em vigor no país, em caráter liminar.  Em setembro do ano passado, a justiça liberou psicólogos para fazerem o tratamento de reversão de orientação sexual, que popularmente foi chamada de “cura gay”.

Veja também: “A única doença que eu conheço é a homofobia”, afirma psicóloga sobre ‘cura gay’

O Conselho Federal de Psicólogos já recorreu da decisão por entender que tal ação fere os direitos humanos.

Essa decisão, de acordo com especialistas, fere a resolução 01/99 criada pelo Conselho, que proíbe a cura gay por psicólogos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de considerar a homossexualidade doença na década de 90.

Temas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *