Uma administradora de empresas, uma gestora ambiental e uma empreendedora autônoma. Melissa Miranda, Eneide e Márcia Martins são mulheres periféricas e envolvidas com a cena cultural da periferia paulistana. Elas se conheceram há um ano e meio entre panelas, cervejas, coqueteleiras e manifestações. Destes encontros nasceu a  Cerveja Benedita, marca de cerveja artesanal criada por mulheres que moram e atuam nas bordas da cidade de São Paulo, cujo slogan é  “Feita por elas para Todos”.

“Em comum, temos uma história de luta para se manter em uma selva de pedra que não favorece quem é de baixa renda, mulher, nordestina”, contam. A Benedita é uma homenagem à população que migra para ter qualidade de vida.

Para chegar nas três receitas disponíveis hoje, fizeram cursos e se especializaram.  “A APA é receita da Eneide, a Pilsen é receita da Melissa, e a de trigo da Márcia”. Provaram, gostaram e pensaram: “por que não oferecer para os amigos?”.

Os amigos aprovaram. “Então resolvemos abrir para o comércio, sempre voltado à acessibilidade de um produto de boa qualidade e dentro de um ideal político”, afirmam.

“Está sendo muito satisfatório ver pessoas completamente desconhecidas apreciarem a Benedita em bares da Zona Sul de São Paulo”.

Mulheres e cerveja

A cerveja é uma bebida tão antiga quanto a História.  Na Babilônia e na Suméria, por volta de 4000 a.C., as mulheres cervejeiras eram conhecidas como ‘Sabtiem’ e eram consideradas pessoas especiais, quase deusas. Em outras culturas, a presença feminina nesse meio também marcou história. Entre os vikings, por exemplo, existia uma lei que somente as mulheres podiam produzir a bebida.

As empreendedoras observam que apesar de a mídia coloca a cerveja como sendo apreciada apenas por homens, “a verdade é que a cerveja é um produto que não escolhe gênero, ela é apreciada por todos. Então vamos contra esta linha e lembramos que existem mulheres e homens que consomem muita cerveja”.

Galeria

O mundo da cerveja é elitista?

As empreendedoras são categóricas ao dizer que não. “A cerveja é a bebida mais popular do mundo, portanto não é elitista. Porém, ainda é feita com produtos importados; esta origem faz com que a cerveja artesanal não possa ser tão barata quanto as convencionais (que, segundo elas, nem devem ser classificadas como cerveja). A produção artesanal tem seu custo de horas de trabalho e dedicação, é limitada à quantidade produzida, tem tempo de fermentação, carbonatação, envase”, explicam.

A Benedita é feita basicamente com água mineral, malte de cevada, lúpulo e fermento. Na de trigo ainda vai coentro e raspas de laranja. Cozida em panela e fermentada por 15 dias em barris, a bebida passa mais sete dias nas garrafas para carbonatação. Aí é só gelar e apreciar!

Para encontrar e cerveja Benedita é só visitar este lugares em São Paulo ou dar um salve no Facebook ou Instagram

  •  CCB – Centro Cultural Butantã;
  • Bar do Zé Batidão, onde acontece o Sarau da Cooperifa;
  • Adega do Baguinho;
  •  Latin Lage;
  • Orpas
  •  Vila Fundão;
  • Sarau do Binho;
  • Espaço Clariô;
  • Espaço Cultural Cita;

Glossário rápido cerveijeiro

Ale: Uma das três grandes famílias cervejeiras. Agrupa todos os estilos produzidos com leveduras Ale (também conhecidas como de alta fermentação). Esta levedura trabalha em temperaturas mais elevadas, entre 15 e 25°C, e caracteriza-se pela produção de ésteres frutados.

Lager: Uma das famílias cervejeiras. As Lagers são também chamadas de cervejas de “baixa fermentação”.

IPA – Abreviatura para India Pale Ale, um estilo de cerveja desenvolvido para suportar o transporte a grandes distâncias sem se deteriorar. Contém maior concentração de lúpulo e elevado teor alcoólico.

Fermentação: Processo no qual a levedura consome os açúcares fermentáveis do mosto (mistura destinada à fermentação), transformando-os em álcool etílico e gás carbônico (dióxido de carbono – CO₂).

Carbonatação: Teor de gás carbônico (dióxido de carbono – CO₂) presente na cerveja.

Lúpulo: Espécie de trepadeira que produz flores empregadas na fabricação de cerveja por serem ricas em uma resina que traz amargor e aroma às cervejas.

Malte: Matéria-prima rica em açúcares fermentáveis, produzida a partir da germinação e secagem de diferentes grãos, geralmente cevada e trigo.

Temas:

Sobre a autora:

Mayara Penina

Mayara é jornalista e moradora do Campo Limpo, zona sul de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *