Por Jéssica Moreira | 12/10/2015

” Crianças da periferia não conseguem brincar com alegria”. O verso faz parte de uma das músicas da rapper mirim que vem sendo sucesso entre as crianças da periferia paulistana, Mc Soffia. Mc Soffia é Soffia Gomes da Rocha Gregório Correia, 11 anos. Cresceu na Cohab Raposo Tavares, em São Paulo, onde vive com a mãe Kamilah Pimentel. Adora jogar futebol, pular corda ou brincar de esconde-esconde na rua com os amigos. “Eu sempre tenho que brincar antes dos shows, senão não consigo cantar”, conta a menina, que diz não ter vergonha de subir ao palco e adora ver as meninas soltando seus cabelos crespos.

Mc Soffia, 11 anos. Foto: Divulgação

Mc Soffia, 11 anos.
Foto: Divulgação

Foi na escola que Soffia descobriu o que era o racismo. As crianças, muitas vezes, a ofendiam pelo fato de ser negra e ter cabelos crespos. A garota, então, contou à mãe que queria ser branca para não passar mais por aquelas situações. Kamilha acentuou a importância da história africana à filha e também a introduziu na cultura do Hip Hop, além de eventos culturais e shows onde havia outras mulheres negras.

E esse é exatamente o recado que Sofia deixa para as meninas negras hoje: que elas [as meninas] aceitem seu cabelo, sua cor. “Fazem  a cabeça das crianças falando para elas alisarem o cabelo, falam que são feias porque são negras, zoam elas. Elas não precisam aceitar isso. Aceitem o que são, que a mãe delas as levem em eventos de Hip Hop, onde também há muitas mulheres negras. No samba-rock, então, há muitas mulheres. Ah, e não ter vergonha de ser da periferia também”.

Na entrevista cedida ao Nós, mulheres da periferia, por telefone, Soffia fala ainda dos problemas que persistem na periferia e impedem as crianças de brincarem de forma feliz; quais as soluções para isso e como as escolas poderiam enfrentar o preconceito e racismo entre as crianças . “As crianças, a maioria da periferia, são negras. Podem sofrer racismo, preconceito. A própria questão da polícia, que mata muitas crianças inocentes, aparece na TV, então elas não conseguem brincar. Tem bala perdida, elas não conseguem brincar direito. Eu acho que deveriam fazer oficinas, por exemplo, pra quem gosta de funk, batalhas do passinho, oficina de hip hop, ballet, natação, teatro, como nos lugares do centro, deveria ter tudo isso na periferia”.

Confira abaixo a entrevista na íntegra. 

mcsoffia3

“Eu acho que deveria fazer oficinas, por exemplo, pra quem gosta de funk, batalhas do passinho, oficina de hip hop, ballet, natação, teatro, como nos lugares do centro, deveria ter tudo isso na periferia”, Mc Soffia. Foto: Eduardo Enomoto

Nós, mulheres da periferia: onde você nasceu e como foi sua infância nesse local? 

MC Soffia: Eu nasci na Santa Casa, em São Paulo. Minha infância, que ainda estou, está sendo legal, né? Eu gosto de brincar na rua de futebol, de pular corda, mas o que gosto mais de brincar é de esconde-esconde, tem muita criança lá na minha rua, eu moro na Cohab Raposo Tavares desde que nasci. Antes eu morava no centro, quando era bem pequenininha, antes de fazer um ano.

Nós, mulheres da periferia: quantas escolas você já estudou, lembra-se delas?
Mc Soffia: Hoje estudo no Projeto Âncora, em Cotia, mas já estudei em seis escolas, contando as creches.

 

Nós, mulheres da periferia: você já passou por situações de racismo?
MC Soffia: Sim, tudo que já falei em outras entrevistas. Na escola, a gente tem um projeto de racismo, bullying e preconceito na escola, as crianças mesmas que fazem, se alguma criança sofre, as crianças vão lá e conversam. Deveria ter em todas as escolas.

Nós, mulheres da periferia: Em uma de suas canções você diz “Crianças da periferia não podem brincar com alegria”. O que acha que essa frase quer dizer?
MC Soffia: ” Porque as crianças, a maioria da periferia, são negras, podem sofrer racismo, preconceito. A própria questão da polícia, que mata muitas crianças inocentes, aparece na TV, então elas não conseguem brincar, tem bala perdida, elas não conseguem brincar direito”.

Nós, mulheres da periferia: O que você acha que deveria mudar para as crianças conseguirem brincar como deveriam?
MC Soffia: Eu acho que deveriam fazer oficinas, por exemplo, para quem gosta de funk, batalhas do passinho, oficina de Hip hop, ballet, natação, teatro, como nos lugares do centro, deveria ter tudo isso na periferia, conseguiriam brincar, não iriam para esse mundo de crescer e ser bandido.

Nós, mulheres da periferia: Qual a mensagem que você gostaria de passar para as meninas e crianças todas com suas canções?
MC Soffia: ” Que elas [as meninas] aceitem seu cabelo, sua cor. Fazem a cabeça da criança falando para elas alisarem o cabelo, falam que são feias porque são negras, zoam elas. Elas não precisam aceitar isso, aceitem o que são, que a mãe delas as levem em eventos de Hip Hop que também há muitas mulheres negras, samba-rock, então, há muitas mulheres. Ah, e não ter vergonha de ser da periferia também”.

Nós, mulheres mcsoffia2da periferia: Quais são seus planos para quando crescer?
MC Soffia: Quando eu crescer eu vou ser médica, cantora, atriz, jogadora de futebol, vôlei. Tudo isso. Mas o que quero mesmo é ser  medica, atriz e cantora, mas eu também posso jogar em alguns lugares.

Nós, mulheres da periferia: quais são seus livros ou leituras favoritas?
Mc Soffia: Já li coisas sobre a Anastácia,  Dandara, Carolina Maria de Jesus.

Nós, mulheres da periferia: você brinca bastante?
Mc Soffia: Antes dos shows eu brinco na rua, ou brinco em todo lugar, e antes do show sempre tenho que brincar, senão eu não consigo cantar direito. Antes do show, dou umas piruetas, fico pulando, quando tem brinquedo, eu brinco. Na minha escola eu brinco bastante, tem pista de skate, quadra, tem um monte de coisas, pista, tem natação, lá eu brinco bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *