Este relato faz parte do especial “Envelhecer na periferia“. Clique aqui para ler o conteúdo completo.

 A recifense Severina Nicácio da Silva veio para São Paulo há mais de 40 anos e mora em Guaianases. Mãe de quatro filhos, Severina ficou viúva aos 33 anos, depois casou-se novamente com o atual esposo, com quem já convive há 27 anos.

Aposentada, trabalhou a vida toda na área de limpeza de diferentes empresas. Hoje, aos 65 anos, divide sua rotina com os afazeres domésticos e com diversas atividades que realiza no bairro. “Ficar dentro de casa o tempo todo dá muito nervoso”, confessa.

Severina participa das aulas de ginástica em três espaços diferentes, a Casa de Acolhimento à Mulher Viviane dos Santos, o Centro de Referência do Idoso de São Miguel Paulista, além das aulas livres que acontecem no parque perto de casa.

“Antes eu não sabia desses lugares, não tinha tempo. Saia de casa 4h30 da manhã e voltava só 19h30. Comecei a ir para a academia por causa da minha filha, acompanhava ela”, conta.

Além de amenizar as dores provocadas pela artrose, Severina se sente bem na companhia das outras mulheres nas atividades de ginástica. “É bom para a cabeça, a amizade, a convivência”, conclui.

Severina Nicácio da Silva, 65 anos, moradora de Guaianases.

Crédito: Lívia Lima

Temas:

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.

Local da notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *