Os adolescentes Pedro e Samantha são personagens principais dessa história. Ele um menino gay que sonha em ser Drag Queen e ela uma menina trans, que nasceu Claudinei, mas se enxerga como Samantha. Ambos representam adolescentes LGBTs e são moradores da periferia de São Paulo.

Periferida, além do nome do espetáculo, também é uma personagem. Ao mesmo tempo, narradora e local onde nascem e crescem Pedro e Samantha. O intuito do espetáculo é lidar com temas de orientação sexual e identidade de gênero, sobretudo para esclarecer as diferenças entre eles.

Espetáculo Periferida do Coletivo Acuenda

Crédito: Divulgação

Pedro é a típica criança afeminada que sofre preconceito das outras crianças na sua rua. Mesmo tentando interagir às brincadeiras comuns do local onde mora, é atacado pelas crianças. “Crescer como menino gay na periferia é, por vezes, não entender a própria condição”, afirma o grupo. Seu sonho é tornar-se a Drag Queen Pipa.

Samantha é filha de pais evangélicos e conservadores; seu nascimento como Claudinei encheu a família de esperanças e sonhos para o garoto. Na adolescência, ela se assume como mulher trans e entra em conflito com os familiares.

No momento em que o espetáculo aborda esses temas e começam a contar a história de uma Drag Queen e uma trans, o espetáculo mostra que as duas não são a mesma coisa.

Ficha Técnica

Direção: Juão Nin

Dramaturgia: Ramilla Souza

Elenco: Andrielle Rezende, Agatha D’Oliveira, Bruno Cavalcante, Bruno Fuziwara, Bruno Laurino, Paulo Oliveira e Ramilla Souza

Mais informações sobre dias e exibição, horários e local no facebook 

As informações acima são de responsabilidade do organizador do evento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Temas:

Sobre a autora:

Lívia Lima

Jornalista, mestre em Estudos Culturais e moradora de Artur Alvim, zona leste de São Paulo.

Local da notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *